sexta-feira, 14 de abril de 2006

sofrimento


in fotogigital 13

Bêbado, assassino,
incólume canino na prisão,
da puta filho e marido cabrão.

Devora-me a ânsia de vingança.
Quero-te retalhos de bisturi:
ali, torresmos a esmo...
brasas, aqui, ao lume...
cinzas negras, aí...
tragadas por cardume!

E, na tua ressurreição e do inferno,
que sejas maldito para a vida eterna !

Destino fatal?
Não há destino fatal!
Há a-bu-so-da-li-ber-da-de!

Lugar, tempo errado, coincidência?
Não-há-co-in-ci-dên-ci-as!
Por que não o teu filho mas sim o meu?
Talvez, então, percebesses que não há erro
no lugar, no tempo e na coincidência.

"Os meus pêsames..."
"Sentidas condolências..."
Não vos proíbo o falar e o choro!
Mas, para quê essas palavras surdas,
moucas, em lágrimas tão ocas?

Se eu chegar a muito velho,
quem me vai alisar as rugas,
aparar a baba,
mudar as fraldas?
Tu? Ou tu? Talvez tu?
E a ti, muito velho também,
quem te limpa o cu?
Alguém?


... estou exausto...
... dá-me um comprimido...
... quero adormecer bem fundo
e
acordar abraçado ao meu filho
porque
as saudades venceram a
vida

daniel

5 comentários:

O'Sanji disse...

Forte, como a dor que enuncia.

-pirata-vermelho- disse...

Com certeza conheces
mas
lembrei-me do Almada
talvez pelo ritmo
(este verso é intimista; o dele não sei...)


http://www.triplov.com/almada_negreiros/cena_do_odio.htm

(Está uma exposição 'do' M Viegas na SPA até ao fim de Abril)

-pirata-vermelho- disse...

(Desculpa se atinge a tua dor! Nã é minha intenção; apenas a semelhança poética...)

daniel sant'iago disse...

O'sanji:
A palavra, por vezes, lavra fundo em mil imagens! Hoje valeu a dor imensa dum amigo.
Beijo dorido.
daniel

daniel sant'iago disse...

Obrigado pelos comentários e pelas sugestões. Já fui ler Almada num poema desconhecido.
Fez-me muito bem... Relembrou-me a minha dimensão de "texteiro".
E... não peça desculpa se não era sua intenção atingir a minha dor.
Abraço.
daniel